Categoria:Programação

Manipulando diretamente a Porta Paralela

Olá

Essa semana encontrei um texto sobre como controlar os pinos da porta paralela no site do RogerCom (http://www.rogercom.com/). O objetivo final era mandar o comando para fazer os leds acenderem ou apagarem. O Daniel quis fazer em FoxPro e eu fui pro c#. Como não necessitava de muito material, comprei os leds e os resistores e resolvi fazer.

 

O HARDWARE

Para fazer o hardware, usamos:

  • 1 placa de cartão (para fazer as soldas). Aqui pode ser qualquer coisa de plastico ou de papel, para dar sustentação aos leds
  • 8 Leds (qualquer cor). AVISO: LED tem lado. A perninha maior é o positivo.
  • 8 Resistores 470 ohm (amarelo, violeta, marrom). AVISO: Resistior não tem lado
  • 1 Cabo de impressora (que não vai mais ser usado)
  • Ferro de solda, estanho, multimetro, etc.

 

Para montar o hardware não tem muito segredo, é so seguir o desenho do site.


Peças antes do inicio da solda


Peças já soldadas na placa

Para montar o cabo, o Daniel me deu uma mão. Dentro do cabo da impressora tem uns 20 fios (mais ou menos), e é preciso encontrar fio a fio quem é quem. É ai que entra o multimetro.


Daniel e Eu encontrando os fios

Aqui aconteceu um acidente. Depois de identificarmos os cabos, pedi ao Daniel que cortasse os que não estavam em uso. Ele foi cortando. Quando terminou, viu que a etiqueta do fio nro 7 estava colada no meu braço. Tarde demais. O fio já estava cortado. Resultado: Lampada 7 permanentemente desligada 😛 Depois se der eu refaço as ligações.


Fios soldados

 

O Software

Para fazer o hardware funcionar, precisavamos arrumar o software. Achamos uma dll que controla a porta paralela no windows xp pra cima (no 98 é diferente) e partimos pra programação em VFP.

Depois de penar um pouco, encontramos uma ocx que facilitou a vida.

Depois o Daniel ligou uma ocx para tocar mp3 e ligou os leds com o sistema de graficos da ocx. Não funcionou como deveria.

Para fazer em .Net. encontramos um software e pegamos dele como fazer o led acender/apagar. Depois fiz uma aplicação inteira para fazer acionar o led.


Sw em .NET

FONTES

Led4.rar (301,49 kb) – Versão em .NET

Versão em VFP: Em Breve. Daniel vai usar os pngs das lampadas.

 

VIDEO

 

CONCLUSÕES

As minhas:
1) EU tenho que aprender mais de .NET. Ainda sei pouco e apanhei em coisas simples
2) No site do RogerCom tem muita coisa interessante. Vale a pena ler.
3) A ideia de acender lampadas pela casa via software vai sair. É só eu terminar as funções da faculdade.
4) Obrigado ao Eduardo Spaki que me deu uma mão na programação 😉

A do Daniel

1) “Prefiro não comentar”
FONTES:
http://www.rogercom.com/pparalela/introducao.htm
https://secure.codeproject.com/KB/cs/csppleds.aspx?display=PrintAll&fid=21021&df=90&mpp=25&noise=3&sort=Position&view=Quick&select=1066799&fr=251
http://www.google.com.br/

 

 

Comando CSS para ser aplicado na impressão

 

Com as das folhas do estilo é possível indicar nas páginas HTML pontos de
quebra, para que no processo de impressão a mudança de página aconteça num
ponto especifico.
(esta especificação das CSS2 apenas é suportada pelo Internet Explorer 4.0 ou
superior)

Quebra de Página:

Existem dois comandos a ter em consideração:

  • page-break after
  • page-break-before

O próprio nome dos comados é bastante elucidativo das suas funções. O
primeiro faz com que a quebra de página ocorra depois do elemento e o segundo
antes do elemento.

Cada comando tem quatro atributos:

Always: indica ao browser que deve proceder á quebra da
página sempre no ponto indicado.
Auto: é o atributo de defeito. Indica ao browser que proceda da
forma usual (introduz a quebra de página sempre que esta chega ao fim).
Left: esta quebra de página não é suportada por nenhum browser.
É usada se a impressora imprimir de ambos os lados de uma página, como um
manuscrito. Se o que se pretende imprimir é para ficar do lado esquerdo da
página, então seria este o atributo a utilizar.
Right: para uma situação semelhante á anterior, com a
diferença de imprimir do lado direito da página.

O Formato:

Um exemplo da aplicação deste tipo de estilo seria:

<STYLE TYPE=”text/css”>
H2 {page-break-before: always}
</STYLE>

Esse comando produzirá uma quebra de página da cópia antes de cada H2.
Não esquecer que é necessário usar o IE4 (no mínimo) para poder usufruir
desta funcionalidade.

Definição de uma quebra de página especifica:

Para uma maior controlo sobre este processo a melhor prática será a
criação de classes de quebra de página. Estas classes podem ser criadas para
qualquer TAG de HTML, no entanto o mais aconselhado será a criação destas
classes para as TAGs <P> ou <br>, assim haverá sempre um espaço em
branco entre cada quebra de página. Por exemplo:

<STYLE TYPE=”text/css”>
P.QuebraAqui {page-break-before: always}
</STYLE>

No código da página, para activar esta classe bastará:

<P CLASS=”QuebraAqui”>

 

Fonte: http://paginas.fe.up.pt/~goii2000/M8/impressao.htm

Windows 7 tem novo modelo de desenvolvimento

Quem trabalha na indústria sabe que construir software não é uma tarefa fácil. É um meio altamente volátil, sujeito a mudanças e podem ser muito mais complexos que a engenharia de um carro, por exemplo. Sabemos como um motor a explosão funciona por pelo menos 100 anos. O UNIX surgiu no começo dos anos 70 do século XX. Os sistemas operacionais modernos surgiram com o Mac OS, em 1984. O POSIX (Portable Operating System Interface) que é o padrão IEEE 1003 foi publicado em 1998. Além disso, sistemas operacionais (SO) estão entre os softwares mais complexos de serem criados.

A Microsoft, para o Windows 7, adotou uma nova forma de se trabalhar. Não existe mais software “beta” dentro de cada build do SO. As equipes só podem entregar algum recurso depois que o mesmo passou por um ciclo completo de desenvolvimento, depuração e testes. Nada de entregar uma parte do software 90% pronta, como um beta, e finalizar depois.

Os ciclos ou iterações, são de 3 meses, na qual, ao contrário do que muitos pensam, metade desse tempo é gasto em requisitos, planejamento, documentação e testes. O resultado dessa forma de se trabalhar é que mesmo em pré-beta, o Windows 7 surpreendeu pela estabilidade. E isso também resultou em outro ponto positivo: ao invés de entregar 10 itens funcionando mais ou menos, eles optaram por entregar 5 que funcionam bem.

Outra decisão foi trabalhar com os fabricantes de hardware para que os drivers sigam o modelo do Vista. Se funciona no Vista, deverá funcionar no Windows 7 e não apenas isso, com o feedback dos consumidores e da indústria, o recado foi dado: performance e consumo de recursos. E pela resposta do PDC 2008 parece que a gigante do software até o momento, acertou muito mais do que errou.

 

Fonte: MeioBit